Carta de Luís Gama a seu filho

Luís Gonzaga Pinto da Gama
(Salvador, 21 de junho de 1830 — São Paulo, 24 de agosto de 1882)
foi um advogado, jornalista e escritor brasileiro.

       Meu filho, Dize a tua mãe que a ela cabe o rigoroso dever de conservar-se honesta e honrada; que não se atemorize da extrema pobreza que lego-lhe, porque a miséria é o mais brilhante apanágio da virtude.
     Tu evitas a amizade e as relações dos grandes homens; eles são como o oceano que aproxima-se das costas para corroer os penedos.
       Sê republicano, como o foi o Homem-Cristo. Faze-te artista; crê, porém, que o estudo é o melhor entretenimento, e o livro o melhor amigo.
      Faze-te o apóstolo do ensino, desde já. Combate com ardor o trono, a indigência e a ignorância. Trabalha por ti e com esforço inquebrantável para que este país em que nascemos, sem rei e sem escravos, se chame Estados Unidos do Brasil.
      Sê cristão e filósofo; crê unicamente na autoridade da razão, e não te alies jamais a seita alguma religiosa. Deus revela-se tão somente na razão do homem, não existe em Igreja alguma do mundo.
      Há dois livros cuja leitura recomendo-te: a Bíblia Sagrada e a Vida de Jesus por Ernesto Renan.
      Trabalha, e sê perseverante.
      Lembra-te que escrevi estas linhas em momento supremo, sob a ameaça de assassinato. Tem compaixão de teus inimigos, como eu compadeço-me da sorte dos meus. 
      Teu pai Luis Gama.

                          (esta carta foi publicada somente em 1930)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Sinto Saudades

Ai se eu disser que não sinto saudades,  eu minto pra poder viver... (Refrão da musica Trás Os Montes de Roberto Leal)