segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Detalhes...

Contam que um rei foi solicitado a dar a palavra final no julgamento de um de seus camponeses, como era costume nos casos em que pairavam dúvidas sobre o veredito final. Como o rei conhecia o homem, que fora seu servo pessoal, e tinha certeza de que ele era inocente, chamou seu assessor e lhe pediu que escrevesse:
“Todos o condenam… Eu não, absolvo!”
O assessor, ao escrever o veredito do rei, anotou o seguinte:
“Todos o condenam… Eu não absolvo!”
E o pobre homem foi executado, por causa de uma simples vírgula.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

O mesmo destino para todos

A mesma coisa acontece aos homens bons e aos perversos. A morte é muito democrática; há uma para todos.